“Uso da força será necessário na Venezuela”, diz Pepê[, mostrando-se pronto pra encarar China e Rússia]

23 23-03:00 março 23-03:00 2019 1 Por Redação Urbs Magna
“Uso da força será necessário na Venezuela”, diz Pepê[, mostrando-se pronto pra encarar China e Rússia]

Valentão, Eduardo Bolsonaro declara que uso da força contra Venezuela será necessário para derrotar Maduro, mas não disse como vão encarar a Rússia e a China, que têm enormes interesses e investimentos na Venezuela. O Pepê não falou que pobres serão como bucha de canhão defendendo interesses americanos – roteiro idêntico ao usado no Iraque e na Líbia. Só que na Venezuela, o buraco é mais embaixo.

Em entrevista ao jornal chileno La Tercera, deputado disse que “todas as opções estão na mesa”, quando questionado sobre a possibilidade de intervenção.

São Paulo — O deputado Eduardo Bolsonaro, em uma entrevista realizada nesta sexta-feira (22) ao jornal chileno La Tercera, afirmou que “o uso da força será necessário em determinado ponto”, apesar de o Brasil não “querer uma guerra”.

“Guerra é ruim. Vidas são perdidas e existe todo um problema de efeitos colaterais, mas Maduro não deixará o poder de forma pacífica e, em algum momento, o uso da força será necessário. Ele sabe que assim que sair do poder, irá para a cadeia”, disse.

O parlamentar disse, ainda, que “todas as opções estão na mesa”, quando questionado sobre a possibilidade de intervenção militar na Venezuela, levantada por repórteres durante a visita de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos.

“Sabemos que o regime autoritário de Nicolás Maduro utiliza muito a força, a tortura, a prisão política e teremos que ter em mente que não estamos lidando com um democrata, aberto a ideias diferentes, mas sim com um homem que está vendo sua população morrer de fome e continua querendo poder. Então, sim, todas as opções estão na mesa”, completou.

“Chávez, por exemplo, iniciou um processo de desarmamento durante seu governo exatamente para ficar confortável e usar as armas contra o povo venezuelano”, completou.

Para Eduardo Bolsonaro, a crise na Venezuela só poderá ser resolvida com a ajuda das forças armadas do país, pois se trata da única forma “pacífica” de retirar Maduro do poder.

Se alguma atitude militar acontece, Maduro se colocará como vítima e dirá que a democracia está sendo atacada e muitos outros políticos repetirão este discurso. Acredito que será uma medida tomada pelos próprios venezuelanos, não há tempo ou medida certa. O pior que pode acontecer é Maduro continuar no poder porque, diariamente, as pessoas estão morrendo.”

O deputado também citou a situação que os venezuelanos passam na fronteira e que muitos afirmam que saíram do país presidido por Maduro porque “não havia mais cachorros e nem gatos para comer”. “Onde acontecem situações como essa, não existe mais democracia”, afirmou.

Eduardo Bolsonaro está no Chile porque seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, está visitando o país para realizar reuniões com políticos chilenos e outros líderes da América do Sul.

Nesta sexta-feira (22), Sebastian Piñera, o presidente do Chile, anunciou a criação do bloco Prosul, que pretende coordenar os países sul-americanos “sem burocracia excessiva”, em uma reação ao grupo Unasul e sua posição sobre a crise venezuelana.

Eduardo também viajou com o pai para os Estados Unidos e esteve presente no encontro de Bolsonaro com o presidente americano Donald Trump.

Assista, na íntegra, a entrevista de Eduardo Bolsonaro

Dino Barsa para o Et Urbs Magna via EXAME

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp – Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem – É GRÁTIS – ACESSE AQUI

Doe ao Et Urbs Magna

𝙲𝙾𝙽𝚃𝚁𝙸𝙱𝚄𝙰 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚅𝙰𝙻𝙾𝚁 𝚀𝚄𝙴 𝙳𝙴𝚂𝙴𝙹𝙰𝚁 (O valor está expresso em Dólar americano) Para alterar o valor a contribuir, basta alterar o MULTIPLICADOR na caixa correspondente 𝐀 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐢𝐫 𝐝𝐞 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏𝟎 / 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏𝟎𝟎 / 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏.𝟎𝟎𝟎 / 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏𝟎.𝟎𝟎𝟎

$10.00

Anúncios