Miúcha morre aos 81, deixa obra bela e relevante – Cantora foi mais do que a ‘irmã de Chico Buarque’, a ‘ex-mulher de João Gilberto’ e a ‘mãe de Bebel’

27 27-03:00 dezembro 27-03:00 2018 0 Por Redação Urbs Magna
Miúcha morre aos 81, deixa obra bela e relevante – Cantora foi mais do que a ‘irmã de Chico Buarque’, a ‘ex-mulher de João Gilberto’ e a ‘mãe de Bebel’

Heloísa Maria Buarque de Hollanda (30 de novembro de 1937 – 27 de dezembro de 2018), a cantora e (eventual) compositora carioca conhecida como Miúcha, saiu de cena no fim da tarde de hoje, na cidade natal do Rio de Janeiro, aos 81 anos, sem o devido reconhecimento.

Miúcha foi cantora interessante e deixou discos relevantes, mas sempre pareceu ser mais conhecida como a irmã de Chico Buarque. Ou a ex-mulher de João Gilberto. Ou, a partir dos anos 2000, a mãe de Bebel Gilberto.

ASSISTA A UMAS DE SUAS MAIS BELAS INTERPRETAÇÕES:

Mais tarde, em 1989, foi Miúcha quem deu voz a quatro músicas de Guinga – com letras de Paulo César Pinheiro – em disco lançado anos antes de Guinga ser descoberto pelos críticos musicais e alçado à condição de gênio da MPB.

Miúcha deixa discografia que inclui três álbuns gravados com Tom Jobim — Foto: Beti Niemeyer / Divulgação
Miúcha deixa discografia que inclui três álbuns gravados com Tom Jobim — Foto: Beti Niemeyer / Divulgação

Miúcha nunca fez questão de ser moderna, de seguir as modas musicais, e nisso sempre foi bem parecida com o irmão Chico Buarque. Miúcha gostava de cantar e gravar músicas de Tom Jobim, de Vinicius de Moraes e do próprio Chico, claro.

O universo particular da cantora sempre gravitou em torno dos cancioneiros dos compositores que abasteceram os repertórios da Bossa Nova e da MPB surgida na era dos festivais dos anos 1960.

São esses compositores – Chico, Tom, Vinicius, Guinga, eventualmente Edu Lobo ou Carlos Lyra – que predominam nas assinaturas dos repertórios de álbuns como Rosa amarela (feito em 1997 para o Japão e lançado no Brasil em 1999), Miúcha.Compositores (2002), Miúcha canta Vinicius & Vinicius (2003), Outros sonhos (2007) e o derradeiro Ao vivo no Paço Imperial (2015).

Em 1978, ano em que a então censurada música Cálice (1973) foi liberada, Miúcha registrou a parceria de Chico com Gilberto Gil em compacto raro e obscuro no qual apresentou a filha Bebel Gilberto.

Miúcha deixa uma obra. Uma obra iniciada com compacto editado em 1975 e que inclui disco de 1976 assinado com o saxofonista norte-americano de jazz Stan Getz (1927 – 1991) e com João Gilberto. Mas talvez, para a maior parte do público, ela continuará sendo a irmã do Chico, a ex-mulher do João e até mesmo a mãe de Bebel.

Azar de quem nunca abriu os ouvidos para escutar com atenção gravações precisas, sem afetações, como as da valsa Pela luz dos olhos teus (Vinicius de Moraes, 1960), da qual Miúcha fez em 1977 o melhor registro, aliás.

Miúcha sai de cena. Mas o canto da artista há de ficar para a posteridade e de ter o devido valor reconhecido no futuro. Ou talvez a morte da cantora a faça receber postumamente as flores que quase nunca lhe deram em vida.

Et Urbs Magna via G1

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp – Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem – É GRÁTIS – ACESSE AQUI

Doe ao Et Urbs Magna

𝚂𝚘𝚖𝚘𝚜 𝚘 𝚕𝚒𝚟𝚛𝚎 𝚊𝚛𝚋í𝚝𝚛𝚒𝚘; 𝚊 𝚕𝚒𝚋𝚎𝚛𝚍𝚊𝚍𝚎; 𝚊 𝚟𝚎𝚛𝚍𝚊𝚍𝚎. 𝙿𝚛𝚎𝚘𝚌𝚞𝚙𝚊𝚖𝚘-𝚗𝚘𝚜 𝚞𝚗𝚜 𝚌𝚘𝚖 𝚘𝚜 𝚘𝚞𝚝𝚛𝚘𝚜 (𝚗𝚒𝚗𝚐𝚞é𝚖 𝚜𝚘𝚕𝚝𝚊 𝚊 𝚖ã𝚘 𝚍𝚎 𝚗𝚒𝚗𝚐𝚞é𝚖); 𝚌𝚘𝚖 𝚘𝚜 𝚌𝚘𝚖𝚙𝚊𝚝𝚛𝚒𝚘𝚝𝚊𝚜; 𝚌𝚘𝚖 𝚊 𝚜𝚘𝚋𝚎𝚛𝚊𝚗𝚒𝚊; 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚙𝚛𝚘𝚐𝚛𝚎𝚜𝚜𝚒𝚜𝚖𝚘. 𝙽ã𝚘 𝚌𝚊𝚋𝚎𝚖 𝚎𝚖 𝚗ó𝚜 𝚊 𝚝𝚒𝚛𝚊𝚗𝚒𝚊; 𝚊 𝚒𝚛𝚊; 𝚊 𝚖𝚎𝚗𝚝𝚒𝚛𝚊; 𝚊 𝚖𝚊𝚗𝚒𝚙𝚞𝚕𝚊çã𝚘. 𝚃𝚞𝚍𝚘 𝚘 𝚚𝚞𝚎 𝚍𝚎𝚜𝚎𝚓𝚊𝚖𝚘𝚜 é 𝚜𝚎𝚞 𝚋𝚎𝚖 𝚎𝚜𝚝𝚊𝚛; 𝚜𝚞𝚊 𝚏𝚎𝚕𝚒𝚌𝚒𝚍𝚊𝚍𝚎; 𝚜𝚞𝚊 𝚙𝚛𝚘𝚜𝚙𝚎𝚛𝚒𝚍𝚊𝚍𝚎. 𝚀𝚞𝚎𝚛𝚎𝚖𝚘𝚜 𝚝𝚎 𝚎𝚗𝚌𝚘𝚗𝚝𝚛𝚊𝚛 𝚎 𝚝𝚎 𝚊𝚌𝚘𝚕𝚑𝚎𝚛 𝚌𝚘𝚖 𝚞𝚖𝚊 𝚙𝚊𝚕𝚊𝚟𝚛𝚊; 𝚞𝚖 𝚘𝚕𝚑𝚊𝚛; 𝚞𝚖 𝚐𝚎𝚜𝚝𝚘; 𝚞𝚖 𝚖𝚘𝚟𝚒𝚖𝚎𝚗𝚝𝚘. 𝙴𝚜𝚜𝚎 é 𝚘 𝚌𝚎𝚛𝚝𝚘. 𝚀𝚞𝚎𝚛𝚎𝚖𝚘𝚜 𝚎𝚜𝚝𝚊𝚛 𝚌𝚘𝚖 𝚟𝚘𝚌ê 𝚝𝚘𝚍𝚘𝚜 𝚊𝚜 𝚑𝚘𝚛𝚊𝚜; 𝚝𝚘𝚍𝚘𝚜 𝚘𝚜 𝚍𝚒𝚊𝚜; 𝚝𝚘𝚍𝚘𝚜 𝚘𝚜 𝚖𝚎𝚜𝚎𝚜 𝚎 𝚊𝚗𝚘𝚜. 𝚀𝚞𝚎𝚛𝚎𝚖𝚘𝚜 𝚜𝚊𝚋𝚎𝚛 𝚚𝚞𝚎 𝚟𝚘𝚌ê 𝚎𝚜𝚝á 𝚋𝚎𝚖 𝚙𝚊𝚛𝚊 𝚏𝚒𝚌𝚊𝚛𝚖𝚘𝚜 𝚋𝚎𝚖. 𝙲𝙾𝙽𝚃𝚁𝙸𝙱𝚄𝙰 𝚌𝚘𝚖 𝚘 𝚅𝙰𝙻𝙾𝚁 𝚀𝚄𝙴 𝙳𝙴𝚂𝙴𝙹𝙰𝚁 𝚎 𝚌𝚘𝚗𝚝𝚒𝚗𝚞𝚊𝚖𝚘𝚜 𝚜𝚎 𝚟𝚘𝚌ê 𝚚𝚞𝚒𝚜𝚎𝚛 𝚚𝚞𝚎 𝚌𝚘𝚗𝚝𝚒𝚗𝚞𝚎𝚖𝚘𝚜. 𝐀 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐢𝐫 𝐝𝐞 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏𝟎 / 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏𝟎𝟎 / 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏.𝟎𝟎𝟎 / 𝐔𝐒𝐃 $ 𝟏𝟎.𝟎𝟎𝟎

$10.00


Anúncios