Bolsonaro inicia uma perseguição política a funcionários de bancos não alinhados ao pensamento do ‘Novo Regime’

13 de novembro de 2018 3 Por Redação Urbs Magna
Bolsonaro inicia uma perseguição política a funcionários de bancos não alinhados ao pensamento do ‘Novo Regime’

Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp 
Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagemwhatsapp 


Do Brasil 247 O método é o mesmo. Eles agem sob orientação direta da equipe de Paulo Guedes “e dos generais da reserva que atuam na organização do próximo governo”, segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo (aqui). Diz-se, na equipe de Bolsonaro, que as Universidades federais serão o próximo alvo.

O CCC funcionava com “voluntários” que perseguiam os opositores ao regime sob a coordenação dos militares. Nos primórdios do grupo, a principal função era exatamente a que está sendo realizada agora por funcionários dos bancos federais: delatar pessoas. O Comando de Caça aos Comunistas (CCC) foi fundado pelo policial civil e estudante de Direito Raul Nogueira de Lima, que se tornaria depois torturador no DOPS conhecido como “Raul Careca”. Coincidentemente, o CCC nasceu no anoque antecedeu o golpe militar de 1964 -como a atividade de delação surge agora no ano que precede a posse de Bolsonaro.

Segundo os jornalistas Tânia Monteiro e Leonencio Nossa, “a equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro, pretende fazer um pente-fino nas próximas semanas no que classifica como “aparelhamento” dos bancos federais nas gestões do MDB e do PT”. O termo “aparelhamento” é um substituto para “comunista” ou “corrupto”, os termos usados nas perseguições durante o regime militar.

Há um objetivo importante na ação o de conseguir a acomodação na máquina estatal para os bolsonaristas. Não à toa, que os cargos e mira são os de maior sallário: “Eles começaram a preparar relatórios sobre quem é quem em cargos com salários entre R$ 30 mil e R$ 60 mil”.

A campanha persecutória não se restringirá aos bancos estatais. A equipe de Guedes e dos generais quer uma uma “a lista de apadrinhados em toda a máquina pública”. Além das delações, o futuro governo solicitou uma triagem à Secretaria de Governo de Temer, chefiada atualmente por Carlos Marun.

Um dos alvos principais do pente-fino será o Banco do Brasil. Não há sequer o pudor de disfarçar a perseguição política. O grupo de funcionários-delatores “que prepara um relatório sobre a situação do banco para apresentar à equipe de Bolsonaro está mirando especialmente executivos de carreira da instituição que foram nomeados durante os governos petistas e sobreviveram às ‘limpezas partidárias’ de Temer” informa a reportagem.

Colaborativo, Carlos Marun, disse aos repórteres Monteiro e Nossa que vai repassar para a equipe de transição a lista de cargos de “livre provimento” com data de nomeação: “Facilmente, o grupo de Bolsonaro poderá saber quais foram as nomeações feitas no nosso governo, que entrou em maio de 2016, e quem foi nomeado antes, que eram basicamente do PT. Pode ter gente sim do PT que não foi trocada”, disse. “As nomeações do nosso governo são de nossa responsabilidade.”

As direções das instituições estão em silêncio. Não se manifestaram sobre o processo de caça às bruxas. Foi assim durante o regime militar também.


Anúncios