Os crimes de Sergio Moro na condenação ‘política’ de Lula serão discutidos no CNJ e podem libertá-lo

6 de novembro de 2018 3 Por Redação Urbs Magna
Os crimes de Sergio Moro na condenação ‘política’ de Lula serão discutidos no CNJ e podem libertá-lo

Moro condenou Lula sem identificar qual teria sido o ato ilegal que ele supostamente cometeu, em uma decisão onde esse é apenas um dos muitos absurdos jurídicos

Com essa ‘qualificação’, Moro foi escolhido ministro da Justiça de um político que só venceu as eleições como resultado das ações políticas que prometeu prender ou ‘varrer do país’ a oposição.


Receba nossas atualizações gratuitamente direto no seu WhatsApp
Salve nosso número em sua agenda e envie-nos uma mensagem
     whatsapp


O ex-presidente Lula rebateu as declarações do futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, que disse que ele foi preso por ter cometido crime. “Moro sim, cometeu vários atos ilegais, definidos e comprovados, contra Lula: condução coercitiva, gravação ilegal dos seus advogados, divulgação ilegal de conversas de familiares de Lula, divulgação ilegal de grampo ilegal de conversa com a então presidenta da República Dilma Rousseff, interferência ilegal para que autoridade policial não cumprisse Habeas Corpus determinado por juiz de instância superior”, diz a nota de sua assessoria.

Leia, abaixo, a íntegra da nota:

A declaração do ex-juiz Sérgio Moro, em coletiva de imprensa, de que Lula teria sido condenado por cometer crimes, contrasta com a própria sentença de sua autoria que fala em ‘atos de ofício indeterminados’. Ou seja, Moro condenou Lula sem identificar qual teria sido o ato ilegal que ele supostamente cometeu, em uma decisão onde esse é apenas um dos muitos absurdos jurídicos. Moro sim, cometeu vários atos ilegais, definidos e comprovados, contra Lula: condução coercitiva, gravação ilegal dos seus advogados, divulgação ilegal de conversas de familiares de Lula, divulgação ilegal de grampo ilegal de conversa com a então presidenta da República Dilma Rousseff, interferência ilegal para que autoridade policial não cumprisse Habeas Corpus determinado por juiz de instância superior, entre outros. É com essa ‘qualificação’ que ele foi escolhido ministro da Justiça de um político que só venceu as eleições como resultado das ações políticas de Moro, e que prometeu prender ou ‘varrer do país’ a oposição.

Assessoria de imprensa do presidente Lula


LOGO FOOTER ET URBS MAGNA

Anúncios