Anúncios
terça-feira, outubro 23, 2018

URGENTE: ALEMANHA ROMPERÁ com BRASIL, caso BOLSONARO seja ELEITO. ADEUS WOLKS, MERCEDES, SIEMENS…

BRASIL ECONOMIA ELEIÇÕES 2018 MUNDO NOTÍCIAS OPINIÃO POLÍTICA

Diga NÃO à introdução deste SÍMBOLO  SUÁSTICA PNG  em nossa BANDEIRA – Participe do Grupo WhatsApp ‘ISSO NÃO! ISSO NUNCA!’ clicando na IMAGEM ABAIXO

GRUPO WHATSAPP ISSO NÃO ISSO NUNCA


Et Urbs Magna, 13 de outubro de 2018, 21:00 GMT


Um recado grave para a combalida economia brasileira veio neste sábado, 13, da Alemanha, país com mais investimentos de multinacionais no Brasil, como a Volkswagen, Mercedes e Siemens.

Segundo a presidente do Grupo Parlamentar Teuto-Brasileiro, Yasmin Fahimi, uma possível eleição do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) pode impedir uma retomada da parceria estratégica. “O Brasil está à beira de uma grande ruptura. Ficamos chocados como o fato de que, com Jair Bolsonaro, uma pessoa que tornou socialmente aceitável um discurso de ódio tenha chegado à liderança. Isso nos enche de preocupação sobre o futuro do Brasil”, afirmou a deputada. 


Receba nossas atualizações direto no seu WhatsApp

RECEIVE UPDATES WHATSAPP IN ENGLISH


Do Brasil 247 – Ainda, Yasmin Fahimi disse que o Brasil é para a Alemanha e para toda a Europa um parceiro muito importante, econômica e politicamente. “O Brasil é a economia mais forte da América Latina. O futuro de toda a América Latina é importante, também para termos um parceiro político no mundo que defenda uma economia de mercado socialmente equilibrada e democraticamente controlada. Na atual situação, não vejo isso. Um presidente Bolsonaro representaria uma privatização radical, um sangramento sociopolítico do país e o rompimento com acordos internacionais”, diz ela.


 

Anúncios

1 thought on “URGENTE: ALEMANHA ROMPERÁ com BRASIL, caso BOLSONARO seja ELEITO. ADEUS WOLKS, MERCEDES, SIEMENS…

  1. Como “romper com o Brasil”? As relações Brasil-Alemanha estão na esfera dos interesses das empresas alemãs que aqui enraizaram seus negócios por mais de 100 anos. E isso existiu sem interrupções desde antes do governo militar, durante a ditadura e depois do governo militar. Nada indica que isso vá mudar com ou sem Bolsonaro. Quanto às relações entre blocos a Alemanha não decide nada, pois é o pessoal de Bruxelas da União Européia que cuida das negociações com o Mercosul. Trabalho há décadas em empresas alemãs e posso afirmar que essa notícia é completamente despropositada e fake.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: