DOENTE, BOLSONARO SAI DE CENA E PODE ATÉ MORRER: SEU ESTADO NÃO É BOM. COMO FICARÁ A CHAPA? SAIBA

Et Urbs Magna, 08 de setembro de 2018, 20:10GMT


Reportagem da blogosfera sustenta que Bolsonaro está sob real risco de óbito confidenciado por médico de Brasília.

Sob o título “Um Morto-Vivo Sustentando Um Vivo Na Campanha”, Jose Carlos Assis, que é professor de Direito Internacional na UEPB, especula sobre o destino da chapa Bolsonaro/Mourão. ACOMPANHE:


whatsapp  Receba nossas atualizações no WhatsApp


Do Brasil247 – É possível que  Jair Bolsonaro não sobreviva ao atentado, de acordo com a opinião que me foi pessoalmente transmitida por um médico eminente de Brasília.

Exceto pelo impacto que isso terá na sua roda de amigos e de familiares, infelizmente não se pode dizer que o país perderá muito com sua morte provável, ou com  sua retirada certa da campanha na condição de doente. Os mais antigos de nós já viram isso: a morte angustiante de Tancredo Neves, um homem de conciliação. Bolsonaro não é um homem de conciliação; é um homem do conflito. Simplifica todas as questões na base do positivo e do negativo, e brinca com a palavra matar.

Eu seria um hipócrita caso agora, depois dos muitos artigos que escrevi advertindo aos leitores  sobre o caráter nazista de Bolsonaro, e diante do atentado que certamente é deplorável numa democracia, fosse transformá-lo em um messias tupiniquim. Esse papel cabe à Globo. Ela está transformando o ferido num grande herói nacional. O nível de irresponsabilidade da emissora dos Marinho é infinito, só comparável a sua arrogância. Ao transformar Bolsonaro num messias, deve-se perguntar imediatamente: o que vem depois?

Se vier a morrer, há duas probabilidades. Primeiro, dado seu caráter nepotista, pode recomendar o filho como candidato. Na outra hipótese, sai candidato o vice dele, general Mourão. Há situação pior? O Mourão fala como um nazista. Ou seja, haveria qualquer hipótese, inclusive a da morte, que removesse do caminho da República ele ou alguém igual a ele? No seu exercício de exaltação do candidato doente, a Globo deveria ter o mínimo de consideração com o povo, já que a hipótese mais provável é que tenhamos um morto-vivo na campanha presidencial sustentando um vivo pior do que ele. Em síntese, nem pela morte nos livraremos de Bolsonaro. Talvez seja melhor deixá-lo viver tornado bom pela morte iminente.


LOGO FOOTER ET URBS MAGNANAS REDES SOCIAIS


whatsapp  Receba nossas atualizações no WhatsApp
YouTube-icon-our_icon  
Subscreva Et Urbs Magna no Youtube
facebook pages  Curta Et Urbs Magna no Facebook
facebook groups  Grupo no Facebook PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO
twitter icon  Et Urbs Magna no Twitter


Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.