“QUEREMOS LULA!”, DIZ MAIS DE 50% DO POVO BRASILEIRO – GOLPISTAS NÃO TÊM VERGONHA NEM DISFARÇAM

BRASIL DIREITOS HUMANOS ELEIÇÕES 2018 Golpe 2016 Julgamento de Lula JUSTIÇA Lawfare Lula NOTÍCIAS OPINIÃO POLÍTICA PT

É ou não é possível derrotar o golpe nestas eleições?

Valerio Arcary, em novo texto, diz que uma derrota eleitoral das candidaturas do golpe seria um desenlace extraordinário e muito positivo. Na verdade, seria espetacular e até surpreendente e representaria o início de uma nova conjuntura de luta


whatsapp  Receba nossas atualizações direto no WhatsApp


Do Revista Fórum – As virtudes dos homens são semelhantes ao voo dos pássaros. A ave que se habitua com a paisagem rasteira perde o gosto pela altura. (Sabedoria popular indiana)

A resposta ao enunciado da pergunta do título é complicada, porém, inescapável. É complicada porque respostas simples, seja o sim ou o não, são insatisfatórias. É inescapável porque a essência da luta eleitoral é saber se o próximo governo irá ou não levar adiante o programa de ajustes econômico-sociais implementado pelo governo Temer, e que tenta reposicionar o capitalismo periférico brasileiro no mercado mundial para atrair investimentos que possam potencializar a saída da recessão.

Evidentemente, as eleições serão em dois turnos, e a pergunta deixa implícita duas premissas incertas, neste momento, porque estamos diante de uma luta eleitoral. A primeira premissa é que a hipótese mais provável é que o segundo turno não será uma disputa entre duas candidaturas do campo político que apoiou o golpe. Uma hipótese é uma conjectura. O cálculo nesta análise é que a candidatura do PT será beneficiada pela transferência de votos de Lula em uma escala tal que permitirá ir à disputa no segundo turno. A segunda premissa é que é possível, porém, ainda muito indefinido, que a rejeição a Temer, depois de dois anos no poder, seja maior do que a rejeição ao PT.

Isto posto, se considerarmos, por exemplo, o não, sem mediações, trata-se de uma resposta parcial e, politicamente, sectária. Porque subestima o impacto monumental que uma eventual vitória eleitoral da candidatura do PT teria sobre o estado de ânimo dos setores mais organizados da classe trabalhadora, e das massas populares, dois anos depois do impeachment, e da terrível experiência com o governo Temer. Equivale a dizer “revolução ou nada”, o que é um discurso ultimatista. Pior, em função da atual relação de forças desfavorável, em que não há, nem sequer remotamente, disposição para um confronto dessa gravidade, trata-se de um ultimato dirigido aos trabalhadores, e não ao inimigo de classe.

A esquerda radical tem como uma das suas palavras de ordem clássicas o slogan “só a luta muda a vida”. É um slogan justo. Deve ser repetido, incansavelmente, porque é educativo e inspirador. Mas ele não autoriza concluir que as eleições não mudam nada. Porque, simplesmente, isso não é verdade. As eleições são, também, um terreno no qual a luta de classes se desenvolve, e a indiferença com o seu resultado revela uma inocência indesculpável. E tem como consequência a incompreensão de quem se deve combater, prioritariamente. Como se todas as candidaturas fossem, igualmente, inimigas. Não é possível lutar contra todos, com a mesma intensidade, o tempo todo. Na política é preciso escolher contra quem lutamos, prioritariamente, se queremos vencer.

 

Já uma resposta oposta, o sim, sem mediações, é insuficiente e, politicamente, ingênua. Sobre-estima o significado das eleições presidenciais, e ignora o peso da maioria reacionária que, provavelmente, será eleita para o Congresso Nacional. Desconhece o peso político que o Judiciário conquistou com a operação Lava Jato, desconsidera a força econômico-social da classe dominante, e subestima a pressão imperialista sobre o Brasil. Esquece o deslocamento de uma parcela importante da classe média para a direita, e diminui o impacto do surgimento de um movimento neofascista. Não menos importante, fantasia que um possível futuro governo liderado pelo PT estaria disposto a ir até a uma anulação da obra do golpe. O que só seria possível apelando à mobilização popular permanente, uma condição incontornável para os previsíveis confrontos, a começar pelo indulto de Lula. Acontece que o PT está autolimitado pelas próprias contradições internas de sua direção, evidenciadas durante o ano de 2015, quando Dilma Rousseff nomeou Joaquim Levy e seu plano.

Respostas simples sem mediações são autoengano. Uma resposta mais complexa depende de como compreendemos o que foi o golpe do impeachment de Dilma Rousseff. E depende, também, de como definimos o que seria a sua derrota. Se entendermos que o golpe foi somente a derrubada do governo de coalizão liderado por Dilma, e se entendermos que sua derrota equivale, simplesmente, à eleição da candidatura do PT, então a resposta é sim, e ponto final. Só que essa conclusão é superficial, por várias razões. É uma meia verdade. Meias verdades são respostas falsas.

Se percebermos que o golpe foi mais do que o impeachment, se percebemos que a votação no Congresso Nacional foi a forma superestrutural de uma mudança na relação social de forças entre as classes e, em decorrência, de uma transformação da relação política de forças entre os partidos, então, a resposta é mais complicada. A classe dominante brasileira se uniu para derrubar Dilma Rousseff, depois que alguns milhões de pessoas dos setores médios foram às ruas, porque se unificou em torno de um programa: criar as condições econômico-sociais internas, através de um ajuste fiscal recessivo brutal, para que o Brasil possa disputar uma parcela da gigantesca massa de capitais disponíveis no mercado mundial, agora que os antagonismos entre os EUA e a China se intensificaram.

Uma vitória eleitoral do campo político do golpe, ou seja, das forças políticas que apoiam o programa de ajuste fiscal resultará, certamente, ainda em 2019, em: (a) uma ofensiva para a aprovação de uma reforma da previdência que estabeleça a idade mínima aos 65 anos para acesso a aposentadoria; (b) uma ofensiva para novas privatizações de estatais, desnacionalização da economia, facilitação da entrada e saída de capitais; (c) uma ofensiva sobre a universidade pública e privatização da educação; (d) uma ofensiva sobre o SUS e facilitação da privatização da saúde etc.

Claro que uma derrota eleitoral das candidaturas do golpe – Bolsonaro, Alckmin, Marina Silva, Meirelles, Álvaro Dias, Amoêdo –  seria um desenlace extraordinário e muito positivo. Na verdade, seria espetacular e até surpreendente.

Seria espetacular porque teria alguma justiça poética. Afinal, seria sido muito previsível uma derrota eleitoral do PT em 2018, se o governo Dilma Rousseff tivesse cumprido seu mandato até o fim, em função, tanto do agravamento da recessão prolongada iniciada em 2014, quanto da repercussão da Lava Jato.

Mas, ainda que considerando que este desenlace teria como consequência uma elevação do ânimo na classe trabalhadora, e um previsível desnorteamento, pelo menos temporário da classe dominante, do que decorreriam condições mais favoráveis de luta, isso não permite concluir que um futuro governo do PT corresponderia, diretamente, a uma anulação da obra do golpe. Seria um cenário mais favorável, mas somente o início de uma nova conjuntura de luta.


LOGO FOOTER ET URBS MAGNA

NAS REDES SOCIAIS


whatsapp  Receba nossas atualizações no WhatsApp
YouTube-icon-our_icon  
Subscreva Et Urbs Magna no Youtube
facebook pages  Curta Et Urbs Magna no Facebook
facebook groups  Grupo no Facebook PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO
twitter icon  Et Urbs Magna no Twitter


 

Anúncios

1 thought on ““QUEREMOS LULA!”, DIZ MAIS DE 50% DO POVO BRASILEIRO – GOLPISTAS NÃO TÊM VERGONHA NEM DISFARÇAM

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.