“DECISÃO DA ONU É UMA ‘FAKE NEWS'”, DIZ SARDENBERG, QUE ENTERRA O JORNALISMO EM TOM DE ‘PONTO FINAL’

19 de agosto de 2018 1 Por Redação Urbs Magna
“DECISÃO DA ONU É UMA ‘FAKE NEWS'”,  DIZ SARDENBERG, QUE ENTERRA O JORNALISMO EM TOM DE ‘PONTO FINAL’

Matéria do G1, de Carlos Alberto Sardenberg – da mídia PiG*, coloca a cereja no bolo dos golpistas do Governo Temer, que ignoram decisão da ONU sobre cuidados com Lula nas eleições 2018

Relutamos em transcrever a abominável ‘obra’, do dito cujo supramencionado, publicada no sábado (18) em um dos canais do Grupo dos Marinho, para evitar as complicações decorrentes das náuseas inevitáveis causadas pelos que rebolam para tentar nos enganar sobre o nossos direitos e deveres como cidadãos do mundo. Mas preferimos introduzir comentários no “lixo” irreciclável produzido pelo jornalista. Mãos à ‘obra’ !?


whatsapp

Receba nossas atualizações direto no WhatsApp


carlos a sardemberg
O lixo excrito por Sardenberg começa induzindo seu infeliz e apreciador leitor no aceite da definição do termo ‘Fake News’, fazendo-o vacilar quanto ao seu entendimento no assunto, avançando, a posteriori, no sentido de desmoralizar o próprio Comitê de Direitos Humanos da ONU ao sugerir e implantar a dúvida quanto ao nível de decisão de seus membros. Leia:

Do G1 – Fake News não são apenas mentiras deslavadas. Quer dizer, muitas são, mas facilmente desmentidas. As que produzem efeitos fortes são as fake mais elaboradas, com base em algumas verdades e muitas distorções.

Há um jeito simples de entendê-las: buscar a história em sua fonte original, ali de onde partiu a informação posteriormente manipulada.

O caso de hoje, claro, é o comunicado do Comitê de Direitos Humanos da ONU, pedindo que o Brasil tome as medidas necessárias para garantir que Lula, mesmo preso, participe das eleições presidenciais com todos os direitos de candidato.

Aqui já temos um ponto: o primeiro comunicado é do Comitê de Direitos Humanos, um órgão formado por 18 “especialistas” independentes – acadêmicos em geral – e que não tem nenhum poder decisório ou mandatório. Está lá no site da ONU: a função do Comitê é “supervisionar e monitorar” o cumprimento dos acordos internacionais de defesa dos direitos humanos. E fazer recomendações, sempre em entendimento e consultas com os países envolvidos.

Esse comunicado não foi divulgado oficialmente, mas saiu em matéria da BBC, na última sexta-feira. Um vazamento.

Depois, saiu uma nota do Escritório de Direitos Humanos, no site oficial da ONU, com o título “Information note” sobre o Comitê de Direitos Humanos. Ali se explica que não se deve confundir o Comitê com o Conselho de Direitos Humanos – este um órgão de alto nível, formado por representantes (diplomatas) de 47 países e que se reporta à Assembleia Geral da Nações Unidas, o órgão máximo da entidade. E este Conselho não decidiu absolutamente nada sobre esse caso.
Perceberam? Daqui para frente o mestre da ilusão gráfica, Carlos Alberto Sardenberg, arrebatará seus orgulhosos fidedignos seguidores para o estarrecimento do mecanismo de sua lógica contextual, levando-os a acreditar que nem precisam fazer consulta em fontes apresentadas por buscadores padrão. Ele inicia com uma técnica que a própria Rede Globo utilizou durante sua caçada à Lula, com seu telejornalismo que massificou o termo ‘Condenado’ sempre que se referia ao ex-presidente. Notem:

Vai daí que são fake todas as notícias do tipo: ONU manda, determina, exige que Lula participe da eleição; Conselho da ONU decide a favor de Lula, (forçando uma confusão do Comitê com o Conselho, por ignorância ou má fé); decisão do Comitê é obrigatória.

Tem mais. O próprio texto oficial da ONU faz as ressalvas que denunciam indiretamente aquelas fake news. Diz: “é importante notar que esta informação, embora seja emitida pelo Escritório das Nações Unidas para Direitos Humanos, é uma decisão do Comitê de Direitos Humanos, formado por especialistas independentes. (Logo) esta informação deve ser atribuída ao Comitê de Direitos Humanos”.

Por que a ressalva? Óbvio, para deixar claro que não se trata de decisão da ONU, nem do Conselho de Direitos Humanos, nem do Alto Comissariado, muito menos da Assembleia Geral.

E isso, claro, faz diferença. Pode-se dizer que o comunicado do Comitê é um primeiro passo para um longo procedimento, inclusive de consultas, antes de qualquer decisão conclusiva.

Também é preciso ressaltar que a segunda nota, a oficial, é uma resposta à repercussão da primeira.

E, de novo, é um órgão superior descompromissando a ONU da decisão do Comitê.

Além do mais, a própria nota do Comitê tem um jeitão de fake news. Por exemplo: pede que o “Brasil” ou o “Estado brasileiro” garanta os direitos eleitorais de Lula. De que se trata? Do executivo? Do Legislativo? Do Judiciário? Todo mundo sabe, ou deveria saber, que o caso está no Judiciário, que é independente, e que os demais poderes não podem fazer nada.

Logo, o Comitê deveria ter se dirigido ao Judiciário. Mas como não pode fazer isso formalmente, sai com esse vago “o Brasil” ou o “Estado”. Mostra que busca repercussão política e não efeitos práticos.
Sardenberg disse que o Comitê de Direitos Humanos “… busca repercussão política e não efeitos práticos.” ? Foi isso mesmo ? Então faltou dizer que o CDH é todo filiado ao PT, ou ele disse subjetivamente e não entendemos ? Pois de que modo o CDH da ONU trabalha em busca de efeitos não práticos? E ainda interpretou como ‘vazia’ a referência do CDH ao Estado do Brasil, pode isso? Mas o pior de tudo, disse que uma vez no Judiciário, o caso de Lula ultrapassou o alcance do Executivo e do Legislativo e que ninguém pode fazer mais nada, insinuando que é, agora, uma ação INTOCÁVEL até pela Organização das Nações Unidas. Vejamos como ele vai concluir isso:

Além disso, o Comitê endossa totalmente a tese da defesa de Lula. Diz que o ex-presidente deve ser candidato com plenos direitos, como uma medida liminar, uma cautela – “até que todos os recursos pendentes de revisão contra sua condenação sejam completados em um procedimento justo e que a condenação seja final”.

Ora, todo mundo sabe que, pela decisão vigente do STF brasileiro, o condenado em segunda instância vai para a cadeia cumprir pena, mesmo que ainda possa recorrer ao STJ e STF.

E, atenção: a função do Comitê é supervisionar o cumprimento dos direitos humanos previstos nos diversos tratados patrocinados pela ONU.

E em nenhum desses tratados está escrito que cumprir pena depois da segunda instância é uma violação de direitos humanos. Reparem: nenhum tratado internacional condena a execução da pena em segunda instância. Nem em primeira instância – como ocorre em grande parte dos países, assunto que nunca mereceu a atenção do Comitê de Direitos Humanos da ONU.

Resumindo: a nota do Comitê é uma fake news, que originou outras fake news.
Putz! Nós não esperávamos por essa lixarada toda, Sardenberg! Que confusão é essa no epílogo? Até repetiu a palavra do telejornalismo fake do Bonner no JN: “Condenado”. Lembre-se que muitos leitores seus estão dominados pelo ódio dissemidano desde o Golpe 2016 e não conseguem acompanhar as semânticas de suas construções que, para eles, são só ‘letrinhas, mas que foram escritas por um cara da Globo‘ e por isso deve ter um sentido razoável. Mas não tem. Aliás, o resumo de tua conclusão é tão ridículo quanto toda esta situação que você se obriga a passar para defender o ‘leite das crianças’.


LOGO FOOTER ET URBS MAGNA

NAS REDES SOCIAIS


whatsapp

Receba nossas atualizações no WhatsAppYouTube-icon-our_icon

Subscreva Et Urbs Magna no Youtubefacebook pages

Curta Et Urbs Magna no Facebookfacebook groups

Grupo no Facebook PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANOtwitter icon

Et Urbs Magna no Twitter


Anúncios