LULA É CANDIDATO, MAS NÃO ESTARÁ NO DEBATE DA BAND – O BRASIL TEM DEMOCRACIA FAKE

9 de agosto de 2018 1 Por Redação Urbs Magna
LULA É CANDIDATO, MAS NÃO ESTARÁ NO DEBATE DA BAND – O BRASIL TEM DEMOCRACIA FAKE

DEBATE SEM LULA REVELA DEMOCRACIA FAKE


whatsapp  Receba nossas atualizações direto no WhatsApp


Do Brasil 247 – O primeiro debate com os presidenciáveis na TV Bandeirantes será uma espécie de encontro de coadjuvantes. O líder absoluto em todas as pesquisas não estará presente nem seu representante. Restará àqueles que obtiveram o privilégio legal de promoverem a si mesmos em um veículo de mídia concessionário, o debate transversal e o ataque a quem não poderá se defender.

Em meio ao clima de incerteza nas campanhas sobre a eficiência de ataques diretos a adversários, o primeiro debate presidencial das eleições 2018 na televisão deverá ser permeado de críticas ao governo do presidente Michel Temer. O confronto está agendado para as 22 horas desta quinta-feira, 9, pela TV Bandeirantes.

Segundo o presidente do PDT, Ciro Gomes não economizará nas respostas. “A gente não leva desaforo para casa”, disse o dirigente. Lupi ponderou que Ciro pretende usar debates e outros eventos eleitorais para compensar o tempo escasso no horário eleitoral gratuito no rádio e na TV. Ainda assim, aproveitou para alfinetar o tucano Geraldo Alckmin ao falar sobre a partilha de tempo no horário eleitoral. “Acredito que Alckmin vai fazer igual Ulysses Guimarães em 1989 – vai ter tempo de TV demais, mas é um sonífero bom”, disse.

“O debate da Band, o primeiro entre presidenciáveis nas eleições 2018, não terá a presença do candidato do PT, uma vez que o partido decidiu registrar a chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – condenado e preso na Operação Lava Jato – com o ex-prefeito e virtual plano B do partido Fernando Haddad na vice. Embalado pelo discurso de que Lula deveria estar presente no evento, o PT decidiu realizar uma transmissão paralela pela internet com Haddad. No vídeo, o ex-prefeito vai comentar o que os candidatos disseram na Band.

O PT deve investir no discurso crítico contra o governo Temer para atingir adversários. A ideia é associar Alckmin ao emedebista, sob o argumento de que os partidos do Centrão que fecharam com o tucano estão na base do atual governo e endossam medidas impopulares, como a reforma da Previdência e o teto dos gastos públicos. Para tentar neutralizar essa estratégia, a campanha tucana vai sustentar que uma aliança ampla é a condição para a aprovação de reformas. “Reforma se aprova com o voto da maioria do Congresso. Sem aliança não dá para fazer o que propomos”, disse D’Ávila.”

Leia mais aqui.


LOGO FOOTER ET URBS MAGNA

NAS REDES SOCIAIS


whatsapp  Receba nossas atualizações no WhatsApp
YouTube-icon-our_icon  
Subscreva Et Urbs Magna no Youtube
facebook pages  Curta Et Urbs Magna no Facebook
facebook groups  Grupo no Facebook PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO
twitter icon  Et Urbs Magna no Twitter


 

Anúncios