POLÍTICA PORTUGUESA DIZ QUE PRISÃO DE LULA NÃO É LUTA CONTRA CORRUPÇÃO, É UM GOLPE

BRASIL Corrupção MUNDO NOTÍCIAS POLÍTICA

Catarina Martins afirmou que “a prisão de Lula não tem nada a ver com luta contra a corrupção” e criticou o juiz Sérgio Moro pela decisão de prender o ex-presidente brasileiro: “Não será Sérgio Moro que fará a luta que o Brasil precisa”

Coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou que a prisão de Lula “não é luta contra a corrupção”, e aindaconsiderou que há “um golpe da direita reacionária, racista, fascista”.

“Estaremos sempre na primeira linha na luta contra a corrupção, aqui e em qualquer outro lugar, mas a prisão de Lula não é sobre corrupção, porque sabemos que Temer é Presidente e, se quisermos lutar contra a corrupção, primeiramente fora Temer”, afirmou Catarina Martins, no Porto, num almoço comemorativo do 19.º aniversário do partido.

Segundo a bloquista, “a prisão de Lula não é também o julgamento da política do PT (Partidos dos Trabalhadores) e onde o PT falhou”.

“Estivemos e estamos com aqueles que condenaram o agronegócio que destrói a Amazónia e persegue os sem terra, estamos e estaremos contra os que lutaram contra o poder da banca ou das grandes construtoras, que são aqueles que estiveram na rua por transportes, por educação, contra a Copa”, sublinhou.

Para Catarina Martins, “não foi seguramente [o juiz federal] Sérgio Moro, não será Sérgio Moro a fazer a luta que o Brasil precisa”.

“Sabemos, por isso, que o que se está a passar no PT é um golpe contra a democracia, sabemos que é um golpe da direita reacionária, racista, fascista, a mesma que destituiu Dilma, que matou [a vereadora do Rio de Janeiro] Marielle e prende Lula. E aqui sabemos de que lado estamos, com todos aqueles que não desistem da democracia, a solidariedade à esquerda tem de ser sempre solidária”, concluiu.

Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado a doze anos e um mês de prisão por corrupção e branqueamento de capitais e entregou-se, no sábado, às autoridades, depois de ter resistido dois dias na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo antes de se entregar, cumprindo hoje o seu primeiro dia na prisão.

O juiz federal Sérgio Moro decretou na quinta-feira a prisão do antigo chefe de Estado brasileiro (2003-2011) depois de o Supremo Tribunal Federal e o Supremo Tribunal de Justiça terem rejeitado os pedidos de ‘habeas corpus’ apresentados pela sua defesa.

Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.