SEGUNDA INSTÂNCIA NEGA RECURSO DE LULA NO CASO TRIPLEX

BRASIL Golpe 2016 Julgamento de Lula JUSTIÇA Lawfare Lula NOTÍCIAS POLÍTICA PT

Com definição na segunda instância, prisão de Lula depende do Supremo

Por três votos a zero, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) negou, em julgamento nesta segunda-feira (26), o último recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na segunda instância contra a condenação no processo do tríplex.

Com a decisão da 8ª Turma, o TRF-4 manteve a autorização para que seja expedido o mandado.

Como há uma liminar concedida a favor de Lula pelo STF (Supremo Tribunal Federal), entretanto, o pedido de detenção não pode ser feito até que os ministros da Corte analisem o mérito do pedido preventivo de liberdade de Lula –o que está previsto para ocorrer no próximo dia 4.

O julgamento de hoje, que durou cerca de dez minutos, não poderia reverter a condenação nem a pena de 12 anos e um mês de prisão imposta a Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Apesar disso, os advogados do petista usaram o recurso para pedir a absolvição do ex-presidente.

O que a 8ª Turma do TRF-4 julgou foram os chamados embargos de declaração, um tipo de recurso usado apenas para corrigir omissões, contradições e obscuridades em uma decisão.

No julgamento, os desembargadores (João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Laus) concordaram apenas em fazer correções no texto da decisão que confirmou a condenação de Lula. Por exemplo, será substituído “OAS” por “OAS Empreendimentos” e será corrigida a informação de que o Instituto Lula estaria com as atividades suspensas.

Defesa diz que ainda pode recorrer no TRF-4

Os advogados de Lula disseram que vão esperar a publicação do acórdão da sessão desta segunda-feira para definir se entra com novos recursos no próprio TRF-4.

“Há aspectos importantes que precisamos conferir se foram enfrentados”, disse o advogado Cristiano Zanin Martins, que lidera a defesa de Lula.

“Em princípio, nós podemos identificar algumas omissões, mas devemos esperar a publicação do acórdão”.

Lula não pode ser preso

O Supremo concedeu, na semana passada, liminar para que o ex-presidente não seja preso até que o plenário julgue, em 4 de abril, o mérito de seu habeas corpus (outro tipo recurso) para que ele possa recorrer da condenação em liberdade.

Só se o habeas corpus for negado é que o juiz Sergio Moro poderá emitir um mandado de prisão contra Lula. Se o recurso for aceito, o ex-presidente não irá para a cadeia agora.

Mais cedo, antes do início da sessão, Lula disse que a segunda instância faz um julgamento político de seu processo. Desde a semana passada, o petista realiza uma caravana pelos estados do Sul do país.

Com o julgamento desta segunda-feira, Lula cai, em tese, na Lei da Ficha Limpa, tornando-se inelegível. O PT, entretanto, diz que manterá a candidatura do ex-presidente, que lidera as pesquisas eleitorais.

Para a defesa de Lula, o ex-presidente não está inelegível. De acordo com o advogado José Roberto Batochio, para que isso aconteça, é necessário que não caibam mais recursos no TRF-4.

“Não [é ficha-suja] porque a decisão não transitou em julgado. Não porque não acabou”, disse após a sessão.

Subscreva nosso Canal do Youtube e tenha acesso a todos os vídeos. Curta nossa Página no Facebook e receba em primeira mão todas as postagens. Entre para o Grupo PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO e acompanhe as propostas para um país mais igualitário.

Urbs Magna via UOL

Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.