IBGE: RECUPERAÇÃO DO EMPREGO FAVORECE HOMENS BRANCOS

BRASIL ECONOMIA NOTÍCIAS

Taxas de emprego demoram mais para ceder entre mulheres e pessoas negras ou pardas.

No final do ano, 11,8% não tinham função; entre os trabalhadores do sexo masculino e cor clara eram 10,5%.

Mesmo precária, a reação do mercado de trabalho segue favorecendo trabalhadores do sexo masculino e que se declaram brancos.

Num universo de 12,3 milhões de desempregados, as disparidades entre homens e mulheres e, principalmente, entre brancos e negros ou pardos, permanece grande.

A taxa de desemprego encerrou 2017 em 11,8% em relação a 12% registrados em igual trimestre de 2016, segundo a Pnad Contínua, dobIBGE. Entre os homens o desemprego é menor: 10,5% ante 13,4% entre elas.

Se o corte for feito por cor, porém, o quadro é ainda mais preocupante.

A taxa de desemprego entre brancos (ambos os gêneros), de 9,5%, é a menor. Em contraposição, a desocupação entre pardos encerrou o ano em 13,6%, e, entre negros, chegou a 14,5%.

Chama a atenção ainda que pretos e pardos juntos representavam 63.8% dos desempregados no fim do ano passado, acima dos 62% de 2012.

Para as mulheres, houve certa melhora. Elas são 50,7% da população desocupada ante 49,3% dos homens, percentual que era de 55,5% no
início da série.

Se o recorte for o rendimento, as mulheres ganham 76% do rendimento médio deles, de R$ 2.697. Já o salário de negros e pardosé 57% dos brancos, ou mais de R$ 1.100 a menos no contracheque no fim do mês. O mais curioso é que o percentual não se mexeu desde o início da série, em 2012.

Para Fernando de Holanda Barbosa Filho, do Ibre/FGV, o mercado de trabalho segue ruim para todo mundo, em uma retomada muito marcada pela informalidade.

“São 3 milhões de postos de trabalho criados a partir de março de 2017, dois terços na informalidade, em que mulheres e negros têm maior representação em razão da baixa escolaridade”, diz. De fato, trabalhadores negros estão muito presentes em setores que sofreram mais com a crise, como a construção civil e os serviços. Mas isso não explica tudo.

“Há também a discriminação e a questão da falta de oportunidades”, diz Thiago Xavier, da Tendências.

Pesquisa da Fundação Seade joga mais luz sobre o problema: a diferença salarial entre negros e brancos cresce inclusive conforme sobe a escolaridade dos dois grupos.

Em São Paulo, negros com nível superior ganham 65% do salário de brancos, o que sugere que a questão vá além da qualificação. “É preciso um processo mais amplo para mudar as coisas”, afirma Xavier, que prevê taxa de desemprego média ainda alta, de 12,4% ainda em 2018.

Subscreva NOSSO CANAL NO YOUTUBE e tenha acesso a todos os vídeos. Curta NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK e receba em primeira mão todas as postagens. Entre para o Grupo PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO.

Urbs Magna via Folha de São Paulo

Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.