Moro ouviu de testemunhas que sistemas Odebrecht podiam ser adulterados contra Lula

O juiz federal Sergio Moro ouviu, nesta sexta-feira, mais cinco testemunhas de acusação no processo em que o ex-presidente Lula é acusado de receber propina da Odebrecht e da OAS através de reformas e melhorias em um sítio utilizado por sua família em Atibaia, no interior de São Paulo. Todos os depoentes têm acordo de delação premiada firmado com a Lava Jato.

Funcionário do departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht (o setor criado pela empresa para gerenciar o pagamento de propinas), Fernando Migliaccio afirmou ao juiz Sérigo Moro que fez repasses à publicitária Mônica Moura em espécie e em transferência para contas no exterior. Ele disse, no entanto, não poder afirmar que fez pagamentos diretos a responsáveis pelas obras no sítio, por desconhecer as pessoas a quem repassava dinheiro.

A defesa de Lula aproveitou o depoimento para questionar o delator sobre a possibilidade de adulteração do Sistemas Drousys e My Web Day, que registraram toda a movimentação financeira e a troca de informações internas na Odebrecht após a Operação Lava Jato. Migliaccio disse que foi lhe foi retirado o acesso dos sistemas no final de 2015, e admitiu que, depois que estourou a Operação, a empresa fez uma série de reuniões com o desenvolvedor do sistema, Paulo Sérgio da Rocha Soares, para receber orientações sobre a melhor forma de se proteger. Ele disse que foi de Soares a orientação para que os acessos fossem bloqueados e ressaltou que Soares ainda poderia acessar o sistema de qualquer computador. Questionado pelos advogados de Lula, ele admitiu que seria possível a inclusão de novos documentos no sistema a partir de acesso remoto.

À tarde, a defesa do ex-presidente repetiu a estratégia durante o depoimento do coordenador de Operações Estruturadas da empresa, Hilberto Mascarenhas Alves da Silva. No entnato, o executivo afirmou que não utilizava o Drousys.

Também foram ouvidos hoje os executivos Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da Setal, Márcio Faria da Silva, da Odebrecht, Ricardo Pessoa, da UTC e o lobista Milton Pascowitch. Eles reafirmaram seu depoimento no processo anterior contra Lula, explicaram o funcionamento do cartel das empreiteiras e o pagamento das vantagens indevidas nos contratos com a Petrobras.

À tarde, também foram ouvidos dois funcionários da empresa Kitchens, que instalou a cozinha no sítio. Os vendedores Rodrigo Garcia da Silva e Elaine Vitoreli Abib, disseram que o contrato da cozinha foi firmado em nome de Fernando Bittar, o proprietário do sítio, mas que o pagamento e a negociação foram tratados com representantes da OAS, tendo ocorrido reuniões no escritório da empresa.

Anúncios

One Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: