Lula adia caravana pelos Estados do Sul do país

BRASIL ELEIÇÕES 2018 Lula NOTÍCIAS POLÍTICA PT

O ex-presidente Lula adiou em 21 dias a caravana para os Estados do Sul. Originalmente programada para o dia 27 de fevereiro, terá seu início no dia 19 de março, em Bagé. O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), disse que a decisão atende a um pedido dos organizadores.

Segundo Pimenta, havia descompasso da agenda com o período letivo. “Há muitas atividades em universidades e há algumas em período de férias”, justifica.
O site do Instituto Lula diz que “a viagem será postergada para ajustar o roteiro ao calendário estudantil”. Além disso, segundo o instituto, “a alteração das datas vai ao encontro da agenda de outros líderes latino-americanos, que devem participar da caravana em Porto Alegre e na cidade de Santana do Livramento -onde Lula vai se reunir com o ex-presidente uruguaio Pepe Mujica”.
Segundo Pimenta, está mantida a programação de encerramento da caravana em Curitiba, endereço do juiz Sergio Moro, que condenou Lula em primeira instância.

Presidente do PT de Santa Catarina, o deputado federal Décio Lima explicou que a ideia também é ganhar tempo para organização de uma comitiva estrangeira que acompanhará Lula durante a caravana. “A intenção é ter acompanhamento da imprensa internacional nesta etapa”, disse.

Sítio

Nesta sexta (16), o doleiro Alberto Youssef e o ex-presidente da Camargo Corrêa, Dalton dos Santos Avancini, colaboradores da Lava Jato, disseram a Moro que desconhecem a realização de obras em um sítio em Atibaia (SP).

Ambos prestaram depoimento como testemunhas de acusação na ação penal que investiga se Lula se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no sítio, que teriam sido pagas pelas construtoras Odebrecht e OAS.

No processo, Lula é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. De acordo com a Procuradoria, os valores usados nas reformas teriam vindo de contratos das empreiteiras na Petrobras, e repassados como vantagem ilícita ao ex-presidente.

Avancini e Youssef, questionados pela defesa de Lula, afirmaram que tais obras nunca foram mencionadas em reuniões que participaram sobre contratos firmados pela Petrobras.
Prestaram depoimento na mesma ação o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco e o ex-diretor de Petrobras Paulo Roberto Costa. Os dois descreveram o esquema de pagamento de propina por empreiteiras na estatal e disseram ter tomado conhecimento do caso do sítio de Atibaia apenas por meio da imprensa.

O advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins, disse que os depoimentos reforçam que “a escolha do juiz Sergio Moro para julgar a ação pelo Ministério Público não tem qualquer base real”.

A defesa afirma que Lula não é proprietário do sítio e que o petista e familiares frequentaram o local como convidados da família do empresário Fernando Bittar, “em razão de uma amizade de mais de 40 anos”.

Urbs Magna via Portal Paraná

Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.