Empresa ligada a Odebrecht, Braskem blindou Aécio

Falandoverdades – Em depoimento prestado em novembro à Polícia Federal, o empresário Marcelo Odebrecht revelou que a Braskem, braço petroquímico do grupo Odebrecht, se recusou a lhe fornecer informações que provassem seu acordo de delação premiada, como a correspondência com parlamentares federais sobre a aprovação de medidas de interesse da empresa no Congresso em troca de apoio financeiro; o ex-presidente da companhia tentava provar “apoios prestados” ao grupo em “atos legislativos”, em especial “medidas provisórias”, por parlamentares como o senador Aécio Neves (PSDB-MG), mas a Braskem respondeu “que se tratavam de emails classificados como ‘privilegiados’ por transitar pela área jurídica”

247 – Em depoimento prestado em novembro à Polícia Federal, o empresário Marcelo Odebrecht revelou que a Braskem, braço petroquímico do grupo Odebrecht, se recusou a lhe fornecer informações que poderiam implicar parlamentares como o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

As informações constam em reportagem de Rubens Valente, da Folha de S.Paulo. Segundo a matéria, Marcelo Odebrecht, que à época do depoimento ainda estava preso em regime fechado – agora cumpre prisão domiciliar – tenta provar um dos pontos de sua delação ao solicitar informações à Braskem.

O ponto da delação questionado pela PF foi o que provaria “apoios prestados” ao grupo em “atos legislativos”, em especial “medidas provisórias”, por parlamentares federais. Marcelo Odebrecht afirmou que correspondências trocadas com parlamentares em poder da Braskem provariam seus relatos.

No entanto, a empresa negou parcialmente seu pedido, segundo ele, ao responder “que se tratavam de emails classificados como ‘privilegiados’ por transitar pela área jurídica”. Marcelo Odebrecht avalia que são, porém, “informações relevantes que em nada dizem respeito à relação ‘advogado-cliente’”.

 

Anúncios