BRASIL

Lava Jato obriga Petrobras a pagar R$ 10 bilhões aos EUA

O Cafezinho – Lembram da presepada da Lava Jato há algumas semanas, em que teriam sido “devolvidos” R$ 653 milhões desviados da Petrobrás?

Era um factoide, claro, até porque esses R$ 653 milhões foram extorquidos de parceiras importantes da estatal, destruídas pela Lava Jato, através do mais violento processo de chantagem do Estado brasileiro contra empresas nacionais de nossa história.

Sergio Moro e Marcelo Bretas, dois mercenários da Globo, estiveram presentes na sede da estatal no Rio de Janeiro, num ato ilegal e profundamente anti-ético, porque a Petrobrás é parte em processo judicial em curso, contra o ex-presidente Lula, e o juiz Moro não poderia ter relações promíscuas com a empresa.

Mas a bandidagem pode tudo, desde que tenham apoio da Globo, essa pagadora internacional de propinas que distribui prêmios para os juízes brasileiros que lhe obedecem.

Pois bem, hoje ficamos sabendo que a Petrobrás irá pagar mais de US$ 2,95 bilhões a cidadãos e empresas norte-americanos que se sentiram “lesados” com a gestão da empresa, o que, convertido para o câmbio de hoje, significa quase R$ 10 bilhões.

Isso não é “multa” ou “indenização”. Isso é pilhagem de guerra! Típico de um país ocupado militarmente por forças estrangeiras.

E a Petrobrás vai pagar isso “voluntariamente”, com medo de um processo que poderia lhe custar ainda mais.

Trata-se de uma consequência direta dos ataques da Lava Jato à estatal brasileira. É uma conta, portanto, da Lava Jato e de seus operadores principais, Sergio Moro, DD, Carlos Fernando dos Santos Lima, com participação importante de Rodrigo Janot, que liderou comitivas da PGR aos EUA, para entregar informações da Petrobrás a autoridades do governo americano.

O que estamos testemunhando é mais um dos pagamentos, com dinheiro suado do povo brasileiro, a um golpe de Estado que teve participação ativa dos Estados Unidos e de seus fantoches no Brasil.

O golpe já entregou parte do pré-sal ao mercado internacional. Já vendeu, a preço de banana, partes estratégicas da Petrobrás a grupos estrangeiros. Já vendeu linhas de transmissão, hidrelétricas, e demais ativos, que pertenciam ao povo brasileiro, e agora pertencem a fundos ou empresas privadas sem nenhum interesse no desenvolvimento nacional.

O golpe, com apoio da Lava Jato, suspendeu e, em muitos casos, cancelou, a construção de refinarias, além de estar sucateando e paralisando a produção das refinarias que já temos, para aumentar a importação de derivados de petróleo, sempre de refinarias situadas nos Estados Unidos.

Depois do golpe, os EUA passaram a controlar cerca de 90% das importações brasileiras de derivados de petróleo.

Agora o golpe entrega R$ 10 bilhões, que poderiam salvar os mais de cinco mil municípios brasileiros, hoje paralisados por dívidas, aos americanos.

E tudo isso enquanto o preço da gasolina para o consumidor final bate em R$ 5 e o butijão de gás é vendido por mais de R$ 90 nas comunidades pobres.

Olá?

Ainda tem alguém aí que apoia a Lava Jato?


No Jornal do Brasil

Petrobras assina acordo de US$ 2,95 bilhões para encerrar ação coletiva nos EUA

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (3) que assinou um acordo para encerrar a ação coletiva de investidores estrangeiros, em curso na corte federal de Nova York, nos Estados Unidos. Pelo acordo, a petroleira se propõe a pagar US$ 2,95 bilhões àqueles que compraram ações da empresa no mercado imobiliário americano.

O acordo, que ainda será submetido à apreciação do juízo norte-americano, tem o objetivo de encerrar todas as demandas atualmente em curso e que poderiam vir a ser propostas por investidores em ações e bônus da Petrobras adquiridos nos Estados Unidos. De acordo com a Petrobras, o acordo elimina o risco de um julgamento desfavorável que, conforme anteriormente reportado ao mercado, poderia causar prejuízos à estatal.

No acordo proposto para o encerramento da ação, a Petrobras pagará US$ 2,95 bilhões em duas parcelas de US$ 983 milhões e uma última parcela de US$ 984. A primeira parcela será paga em até dez dias após a aprovação preliminar do Juiz, que não tem prazo legal pré-definido. A segunda parcela será paga em até dez dias após a aprovação judicial final. A terceira parcela será paga em até seis meses após a aprovação final ou 15 de janeiro de 2019, o que acontecer por último. O valor total do acordo será provisionado no balanço do quarto trimestre de 2017.

A Petrobras destaca contudo que o acordo “não constitui reconhecimento de culpa ou de prática de atos irregulares”. No acordo, a companhia expressamente nega responsabilidade. “Isso reflete a sua condição de vítima dos atos revelados pela Operação Lava-Jato, conforme reconhecido por autoridades brasileiras, inclusive o Supremo Tribunal Federal. Na condição de vítima do esquema, a Petrobras já recuperou R$ 1,475 bilhão no Brasil e continuará buscando todas as medidas legais contra as empresas e indivíduos responsáveis”, diz nota da companhia.

O acordo será submetido à apreciação do juiz norte-americano que, após aprovação preliminar, notificará os membros da classe sobre os termos para que possam se manifestar. Após avaliar eventuais objeções e realizar audiência para decidir quanto à razoabilidade do acordo, o juiz decidirá sobre sua aprovação definitiva.

A estatal destaca ainda que as partes pedirão à Suprema Corte norte-americana que adie, até a aprovação final do acordo, a decisão quanto à admissibilidade de recurso, que estava prevista para o dia 5 de janeiro de 2018.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s