Mais R$ 50 milhões para Aécio e Moro fingindo que é o mocinho às custas do verdadeiro herói

26 de dezembro de 2017 0 Por Redação Urbs Magna
Mais R$ 50 milhões para Aécio e Moro fingindo que é o mocinho às custas do verdadeiro herói

E o mineirinho ainda quer se eleger para algum cargo público em 2018.

Aécio Neves recebeu propina para defender os interesses da Odebrecht e da Andrade Gutierrez na construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio, Rio Madeira, Rondônia.

A acusação foi relatada por ex-executivos da Odebrecht, em acordos de colaboração premiada, e teve impacto direto na delação de outra empreiteira, a Andrade Gutierrez, que foi obrigada a esclarecer sua participação no episódio.

De acordo com os executivos da Odebrecht, Aécio recebeu R$ 50 milhões. R$ 30 milhões foram repassados pela Odebrecht e R$ 20 milhões pela Andrade Gutierrez.

A Odebrecht sustentou a acusação com comprovantes bancários que comprovam depósitos para o senador Tucano por meio de uma conta de offshore em Cingapura. O titular da conta ainda não foi revelado, mas está vinculada ao empresário Alexandre Accioly, padrinho de um dos filhos de Aécio e integrante de seu grupo mais restrito.

O Globo destaca que ”em depoimento à PGR, o delator Henrique Valladares disse ter sido orientado por um emissário de Aécio, Dimas Toledo, a depositar parte dos valores em uma conta bancária de Cingapura.

Interlocutores da Odebrecht informaram a procuradores e integrantes da Polícia Federal que a conta de Cingapura é da offshore Embersy Services Limited, sediada nas Ilhas Marshall, país com pouco mais de 60 mil habitantes, localizado no Oceano Pacífico.

Nos registros internos da empreiteira [Odebrecht], a transferência de valores para a Embersy está vinculada ao código “Mineirinho” forma como Aécio era identificado nos sistemas de propina.

O pagamento a Aécio foi acertado numa reunião com a presença de Marcelo Odebrecht. Esse encontro teria sido no início de 2008, em Belo Horizonte. O objetivo dos pagamentos a Aécio era influenciar decisões na Companhia Elétrica de Minas Gerais, estatal de energia mineira, e Furnas, estatal federal, a favor da empreiteira baiana.

Aécio Neves disse que tudo isso é um absurdo. Que jamais recebeu qualquer recurso ilícito e que as doações para campanhas eleitorais dele jamais tiveram contrapartida.

A Odebrecht afirmou que está colaborando com a justiça e comprometida a combater a corrupção.

Anúncios