Carla, do pró-Moro “Nas Ruas”, é presa durante CPI em que juiz é denunciado.

O deputado do PT Paulo Pimenta (RS) deu voz de prisão à representante do movimento Nas Ruas Carla Zambelli nesta quinta-feira (30) dentro do Senado Federal após ela ter acusado o partido, o parlamentar e o deputado Wadih Damous (PT-RJ) de “estar roubando”.

maxresdefault
Carla Zambelli, representante do movimento Nas Ruas

A confusão aconteceu no corredor de plenários de comissões após o fim de uma sessão da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) da JBS, frigorífico controlado pelo grupo J&F, para apurar supostas irregularidades praticadas pela empresa. Nesta quinta, a comissão ouviu depoimento e fez perguntas ao ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran.

Após abordar os deputados e insistir em questioná-los sobre a “intenção das perguntas” a Duran, Pimenta afirmou que Carla deveria “trabalhar”. Em resposta, ela falou “eu estou trabalhando, ao contrário de vocês que estão roubando”.

Após a declaração de Carla, Pimenta perguntou “o que a senhora falou?” e se dirigiu a um policial legislativo: “Olha só, essa senhora aqui está dizendo que eu estou roubando”. Ela respondeu: “ué, o PT não está roubando?”. Pimenta então deu voz de prisão e pediu que o policial a levasse para a delegacia da corporação no subsolo do Senado para prestar esclarecimentos.

O Nas Ruas apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e já se posicionou a favor do governo de Michel Temer (PMDB). O presidente, inclusive, recebeu Zambelli e outros integrantes do grupo em seu gabinete no Palácio do Planalto por intermédio do ex-assessor especial de Temer e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB), flagrado correndo com mala de dinheiro em São Paulo e em prisão domiciliar. O grupo também é conhecido por exaltar ações do juiz federal Sergio Moro, responsável pela primeira instância da Lava Jato no Paraná.

Carla questionou o teor das perguntas a Duran, porque, ao seu ver, elas seriam desfavoráveis a Moro. Durante depoimento, o ex-advogado disse que o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot pode ter usado documentos manipulados para sustentar a segunda denúncia apresentada contra Temer.

Duran ainda acusou um advogado trabalhista –amigo e padrinho de casamente de Moro, segundo jornal “Folha de S.Paulo”–, Carlos Zucolotto, de propor propina em troca de intermediações paralelas com a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. Entre os benefícios, estaria a redução da multa a ser paga em um possível acordo de delação a ser fechado entre Duran e o Ministério Público Federal na cidade.

Durante a CPMI, Carla já tinha entrado no plenário e gravado Pimenta fazendo perguntas a Duran. O vídeo estava sendo transmitido ao vivo para a página do movimento no Facebook. Na saída, ela abordou o parlamentar, que inicialmente se recusou comentar, mas depois disse que queria descobrir a “verdade”. Carla questionou se eles tinham “medo de perguntas” do grupo e “medo do Sergio Moro”.

“Quando o senhor perder o foro privilegiado, o senhor vai encontrar com ele, viu? Vai ter um encontro bem gostoso com o Sergio Moro quando perder seu foro no ano que vem”, disse a representante do Nas Ruas. A partir de então, Pimenta a manda “trabalhar”.

Depois de mais bate-boca, Carla foi encaminhada para a delegacia, onde continuou a transmitir o caso ao vivo. Segundo ela, a acusação do roubo foi “genérica” e não se dirigiu a um parlamentar em específico.

Anúncios

One Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: