Quem pede intervenção, desconhece ‘democracia’ tampouco uma ditadura

24 de agosto de 2015 12 Por Redação Urbs Magna
Quem pede intervenção, desconhece ‘democracia’ tampouco uma ditadura

Última atualização em 14/10/2017 

Assista ao vídeo no fim da matéria.

Em meio à grave crise econômica do Brasil, acarretada especificamente por uma crise político-moral sem precedentes, alguns de nossos compatriotas se desesperam e partem para as ruas pedindo soluções imediatas contra o Governo de Michel Temer e toda a linha neoliberal brasileira, devido aos escândalos de corrupção que jamais são investigados.

Desde o impeachment de Dilma Rousseff o país encontra-se dividido ideologicamente e, após as notícias negativas envolvendo seu opositor nas urnas, Aécio Neves, especificamente sobre a decepção do eleitorado neste ano, os líderes da esquerda não têm obtido sucesso em erguer a população contra a roubalheira que tomou conta do Brasil. É que a nação ainda está dividida em suas ideologias. E na época, já se externavam o desejo de uma intervenção militar como pedidos de socorro exageradamente infundados e inexplicáveis.

Há muita falta de conhecimento histórico-político brasileiro por parte de nosso povo; resumidamente é isso. Pois quem deseja a militarização do regime, o faz embasado em números manipulados que, na ocasião, favoreceu uma cúpula restrita e impenetrável. Quem deseja isso, nunca soube o “que aconteceu, como, onde, por que e a mando de quem“, como resume uma gama de jornalistas, artistas, intelectuais e outros, preocupados com uma repetição do que foi o horror para alguns deles.

Durante 21 anos, o regime ditatorial instaurado em 1964 pelo Estado violou sistematica, generalizada e gravemente os direitos humanos de milhares de brasileiros opositores ao militarismo, o que culminou com sua repressão e ‘eliminação’. Muitos desapareceram e jamais foram encontrados. As ‘flores’ que se conseguiram colher anos mais tarde, nasceram das terras férteis aradas por aquela gente que morreu lutando para que estas flores se deixassem colher um dia. Nem tudo sempre foi tão belo como encontramos.

Em dezembro de 2014 a Comissão Nacional da Verdade (CNV) publicou um relatório definitivo com suas conclusões sobre aquela política de Estado assassina concebida e implementada a partir de decisões emanadas da presidência da República e dos ministérios militares. Pesquisem, está tudo lá para ser pesquisado. Compartilhem, porque isso deve se tornar público para que a dimensão dos excessos praticados pelas Forças Armadas do passado recente seja compreendida pelos jovens de hoje como uma quebra institucional e violação gravíssima de DH.

Assim feito, fortaleceremos nossa democracia a qual foi conquistada com o sangue de nossos irmãos ceifados por este negro episódio. Precisamos exigir as mudanças que possam reverter os legados autoritários que ainda permeiam algumas instituições Brasil afora. Pesquisem. Saiam um pouco do FaceBook.

Anúncios