Palestino invade página de Mark Zuckerberg e cobra recompensa prometida por identificação de bug na segurança do Facebook

Shreateh Jalil revelou um defeito na proteção de privacidade no Facebook, e para provar infiltrou-se na página pessoal do criador do Facebook Mark Zuckerbeg

20/08/2013 21:00

Em YATTA, na Cisjordânia, um palestino programador chamado Shreateh Jalil anunciou a descoberta de um defeito de protecão de privacidade no Facebook e para prová-lo invadiu a página pessoal do criador da rede social, Mark Zuckerbeg .

Sheateh disse que só queria cobrar os US $ 500 de recompensa tradicional que o Facebook oferece para aqueles que, voluntariamente, descubram alguma eventual falha.

Mas após o Facebook ignorar seus dois primeiros relatórios, Shreateh invadiu o perfil de Zuckerberg e escreveu a seguinte mensagem na parte superior:

“Perdoe-me por invadir sua privacidade, mas eu não tive escolha depois de todos os relatórios que enviei para a equipe do Facebook. Como você pode ver eu não estou na sua lista de amigos e, mesmo assim, posso postar comentários em sua página.”

A invasão custou a perda da recompensa do Facebook mas o palestino de 30 anos de idade ganhou elogios e inúmeras ofertas de emprego. Shreateh, que vive perto da cidade de Hebron, na Cisjordânia e não conseguia encontrar um emprego desde que se formou há dois anos com uma licenciatura em ciência da computação, disse no Facebook que ele encontrou uma forma que permitia a qualquer um fazer upload de material para a página de qualquer pessoa. “Eu disse, ‘têm uma vulnerabilidade e tem que corrigi-la.’ ” E acrescentou que não fez nada para ficar famoso, mas apenas para provar isso para Mark (Zuckerberg) “.

Matthew Jones, um engenheiro de software do Facebook , disse que o relatório inicial de Shreateh não foi bem escrito, mas admitiu que a empresa lhe pediu mais informações. “Recebemos centenas de relatos por dia”, escreveu Jones. “Muitos de nossos melhores relatos vêm de pessoas cujo inglês não é muito bom. E  embora a interpretação seja um desafio, se o relatório estiver comprovadamente correto pagamos aos informantes. No entanto, muitos dos relatórios que recebemos não fazem nenhum sentido ou estão errados. ”

Ele disse que Shreateh não recebeu uma recompensa do Facebook porque violou os termos de serviço da empresa. Mesmo assim o problema foi corrigido nesta quinta-feira. Por outro lado, nos meios de segurança da informação, muitos especularam que a Palestina poderia ter ganho milhares de dólares se tivesse decidido vender as informações no mercado negro. Shreateh disse no início que estava desapontado com a resposta do Facebook , mas que depois de ser inundado com ofertas de trabalho ficou muito satisfeito com o resultado.

“Estou à procura de um bom trabalho para iniciar uma vida normal como todos os outros”, disse ele. “Estou muito orgulhoso de ser o palestino que descobriu esta falha no Facebook “.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s