CHINA: Educação como base de seu desenvolvimento econômico

Arábia Saudita Italiano japones Vietnan Russo Francês Espanhol Alemão Inglês

Estudantes de Geociências fazem o V da vitória – símbolo que se perpetuou no ocidente.


Não há dúvidas que a China é uma economia em pleno desenvolvimento. Mais que isso, ela é o país que mais cresce, com uma média de mais de 7,5% ao ano e uma inflação em cerca de 3,5%. Segunda maior economia mundial,
há quem diga que o país disputará com os Estados Unidos, num futuro não tão distante, a liderança do mundo.  
Antes de falarmos da China como uma potência econômica, é preciso esclarecer, apenas a título de ilustração, que para o Banco Mundial um país desenvolvido é aquele que tem um alto Rendimento Nacional Bruto (RNB) per capita. Para tornar o entendimento mais fácil, basta saber que o desenvolvimento de um país é percebido pelo avanço de seu crescimento econômico e social como resultado do esforço produtivo de seus habitantes.

Uma das milhares de linhas de produção industrial chinesas.

 Voltando a falar da China, a ascensão econômica do País, com uma média de crescimento anual de 10% por mais de 30 anos, foi idealizada pelo estado chinês. Estado este que, de acordo com uma pesquisa feita pela Universidade de Harvard, tem a aprovação de 80% a 95% dos chineses. Muito mais alto do que países como o Reino Unido, que apresenta 45%. Embora a China ainda seja um país em desenvolvimento, devemos tomá-la como exemplo para colocar o Brasil no caminho correto. Se considerarmos a infraestrutura de lá – que por aqui só vem recebendo investimento nos últimos anos -, a malha ferroviária de alta velocidade chinesa é a maior do mundo e, em breve, será maior do que a do restante do mundo combinado. Não devemos nos iludir e pensar que a China, que possui a maior população mundial, é composta apenas por pessoas que passam o dia nas linhas de produções e recebem salários de acordo com o quanto produzem. O governo chinês investe, e muito, em capital humano. São US$ 250 bilhões anuais e como resultado, 8 milhões de universitários terminam a graduação todo ano. Mas não é apenas nas universidades que o governo chinês investe. A educação básica também é prioridade e faz parte do Plano Nacional de Reforma e Desenvolvimento de Educação a Médio e Longo Prazo, que foi lançado em 2010 e deve seguir até 2020. O objetivo: modernização do sistema educativo, instauração a nível nacional da educação pré-escolar e a eliminação do analfabetismo no país. O resultado disso? A China cresce em todos os aspectos. O investimento prioritário  do governo chinês em educação e o no desenvolvimento de novas indústrias, energias alternativas, proteção do meio ambiente, biotecnologia, tecnologia de informação avançada e veículos híbridos são diferenciais do País. A China tem problemas? Sim, como todos os outros países. Entretanto, ela tem mostrado para o mundo que crescimento econômico e liderança são consequências de investimento na formação dos indivíduos.

Janguiê Diniz

Janguiê Diniz é Mestre e Doutor em Direito e Fundador e Acionista Majoritário do Grupo Ser Educacional

Assista a este sensacional vídeo de 1965 na China de Mao Tsé Tung

Anúncios

Sobre dibarbosa

O autor estudou Letras, Língua Portuguesa, Latim, Grego, Espanhol, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Gestão da Informação na Universidade Federal do Paraná e Geografia no Setor de Ciências da Terra do Centro Politécnico da UFPR. Conhece os Estados de Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina e Bahia, passagens geográficas que influenciaram decisivamente em sua formação cultural levando-se em conta a grande diversidade étnica brasileira, o que também teve um papel fundamental na consolidação de sua sensibilidade literária. É autor de três livros intitulados "A Urbs Magna", "Teu Olho Direito É Meu" e "Kiosk 25", todos sob o codinome Dino Barsa, além de dezenas de poemas e outros pequenos projetos ainda em construção. Tem a música como hobby e, sendo instrumentista desde o início da adolescência, raramente passa o tempo sem seus instrumentos preferidos: a gaita de boca e o violão. Ainda, é adepto da alimentação com base nos superalimentos em associação com atividades físicas. Tem como costume a prática da empatia como forma de enxergar melhor o vasto mundo em que vivemos. Todos são bem-vindos.

3 Respostas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s